domingo, novembro 15, 2009

What doesn't kill you...

Por que quando minha alma se entristece, os domingos são sempre chuvosos?
(...)

Nietzsche, grande pensador que passou tantos malefícios na vida, dizia: "what doesn't kill you, makes you stronger". Concordo. O que eu não concordo é com essa sensação de vazio, o coração acelerado, a dor de barriga e o desprezo pela comida que sinto toda vez que preciso encarar uma situação deveras difícil. Como se chover o domingo inteiro não bastasse...
Eu já passei por isso. Devia saber melhor. Devia ter ficado mais forte. Mas é sempre um baque... é sempre um amálgama de sentimentos ruins, a impotência, a dor, a nostalgia. Vontade de fugir.
Eu, com 24 anos. Vinte-e-quatro-anos. Não sou mais uma menina. Não tenho tempo para esperar alguém mudar de vida e então me acompanhar. Não tenho tempo pra brincadeiras, noites vazias. Não tenho! Daqui pra frente, a vida vai afunilando cada vez mais e é preciso ter sabedoria na hora de tomar certas decisões. Porque o tempo corre... o tempo é implacável.
Fico esperando que alguma coisa mude aqui dentro e eu possa entender melhor essas vicissitudes. Andei lendo um livro daqueles que, em outras épocas, eu repudiaria. É bem interessante. Dá vontade de mudar tudo: o cabelo, o guarda-roupa, o emprego, as músicas que ouço no carro. Mas aqui dentro, Deus, o que falta mudar?

Que idéias é preciso se incutir na cabeça para levar uma vida melhor, mais tranquila? Onde se consegue essa paz de espírito que tanto almejo? Depois de quantas decepções a gente finalmente aprende? HEIN?

Não, não vou chorar. Vou viver um dia após o outro. Vai me incomodar, eu sei. A posse e o ciúme, principalmente esses dois, são ervas daninhas que eu vou arrancar pela raiz do meu jardim. Não quero andar lado a lado com esses dois, nunca mais. Vou arrancar e jogar do outro lado do muro. Vou andar sozinha, eu sei... e escolho andar por onde vão meus pés.... vou sentir frio, medo, saudade e tudo isso. Mas de uma maneira boa, aprendendo. E quando eu voltar, espero ter aprendido não só outra língua, como também a viver a vida apenas por mim, sem necessitar ver aquele sorriso todos os dias pra me impulsionar.

Nessas horas vou olhar no espelho e lembrar que a pessoa mais importante da minha vida sou eu.

# Adeus, menino.

2 comentários:

Miroca disse...

Olá!

Estava procurando uma frase de Sex and the city na net, daí por acaso encontrei seu blog e li alguns posts. Gostei demais! Em algumas vezes, tive a impressão de que era eu mesma me expressando. Você escreve muito bem!

Vou adicionar ao meu e passar sempre aqui de agora em diante.

=)

Beijos.
Miriam
(http://diariodeumalouca.wordpress.com)

Miriam B. disse...

Fiquei feliz com sua resposta, Loyane! Que bom que gostou. Obrigada pelo elogio!

Fique à vontade para ler e comentar sempre. ;)

Beijão!