terça-feira, abril 28, 2009

Culpa?

"So you wanna be a rock'n'roll star?
Well listen now to what I say:
Just get an electric guitar and take some time
And learn how to play...
Just learn how to play".
(Counting Crows)

Gostaria que fosse assim descomplicado seguir certos caminhos, tomar certas decisões. E nestes momentos de maior confusão mental, a quem você recorre?

...

À família, aos amigos, ao namorado...?
E quando nenhum destes está disponível, como um servente que corre para atender os caprichos do amo, o que você faz?

...

1. Resolve sozinho;
2. Pede ajuda de estranhos ou menos chegados;
3. Chora;
4. Fica estressado.


Se você acha que a terceira opção é a dos mais fracos, então pode me tirar da sua lista.
Faltam-me forças. Quero poder furar o pneu no meio da noite e não ser crucificada por isso, seja lá se a culpa foi do buraco, se foi da velocidade, se foi do prego.
O pneu furado é só o catalisador de uma situação que se aproxima cada vez mais, à medida que as pessoas se afastam.

Se ter 23 anos e errar é pior do que ter 17 e errar, então assumo: quero voltar a ser criança.
Pelo menos quando eu podia me considerar uma, quando quebrava pratos dentro de casa, mamãe dizia: "Calma, filha. Não tem problema. Não precisa chorar".

Maldito sentimento de culpa que me persegue desde sempre.
Reviravoltas...


.

sexta-feira, abril 24, 2009

Alto, bem alto.

Well, faz muito tempo que eu não atualizo isso. Vira e mexe eu me dou conta que o meu período literário mais frutífero coincide com o de maior sofrimento. Uns dizem que a dor implica crescimento; pra mim, não só isso, como também um grande número de textos filosóficos e de auto-conhecimento.
De qualquer forma, é uma puta injustiça deixar meu blog desatualizado só porque encontro-me feliz. Não é uma felicidade idealizada, claro. There is no such thing. Digo, parafraseando a Charlotte York (Sex and the City), que posso não ser feliz um dia inteiro, mas sou feliz todos os dias. Mesmo quando, erroneamente, invento de colocar todos os problemas em uma cesta só - o que faz com que uma espécie de lente de aumento recaia sobre eles. Ainda que merdas aconteçam, sempre existe alguma coisa legal pra se segurar.
Então aí vai: estava vasculhando algumas músicas antigas aqui no meu laptop (músicas antigas no sentido de que faz tempo que eu não as ouço, não necessariamente velhas pelo tempo que foram lançadas no mercado). Encontrei umas bem nostálgicas, com destaque para "High", do The Cure. Costumava a classificar essa música como a número 1 para se apaixonar. Ela me foi indicada por um grande amigo, de muito bom gosto, cuja indicação inclusive me faz colocá-la no topo da minha matéria "Trilha Sonora do Amor", publicada no Dia dos Namorados de 2007. Quando eu mesma nem tinha um...
Agora eu entendo o porquê de ter me apaixonado por essa música. Desde o comecinho já dá pra sentir a magia... e as frases entrelaçadas, às vezes bobinhas, mas sinceras. Como se fosse o caso de duas crianças se apaixonando. Quem sente, entende.
Músicas bonitinhas fazem o meu dia melhor ainda que tudo esteja uma bosta.

...

The Cure - High


When I see you sky as a kite
As high as I might
I can't get that high
The how you move
The way you burst the clouds
It makes me want to try

When I see you sticky as lips
As licky as trips
I can't lick that far
But when you pout
The way you shout out loud
It makes me want to start
And when I see you happy as a girl
That swims in a world of magic show
It makes me bite my fingers through
To think I could've let you go

And when I see you
Take the same sweet steps
You used to take
I say I'll keep on holding you
My arms so tight
I'll never let you slip away

And when I see you kitten as a cat
Yeah as smitten as that
I can't get that small
Tthe way you fur
The how you purr
It makes me want to paw you all
And when I see you happy as a girl
That lives in a world of make-believe
It makes me pull my hair all out
To think I could've let you leave

And when I see you
Take the same sweet steps
You used to take
I know I'll keep on holding you
In arms so tight
They'll never, never let you go...