quarta-feira, junho 18, 2008

Ainda dá tempo de mudar

“Another time brand new for me starts…
A movie in slow motion
Frames loosing colors
Drying the oceans
All there is is a gray dark cloud
Rising the shield facing my sun
But I won’t take cover”


Um dos meus pedidos mais recorrentes, diria da vida inteira, é na verdade bem simples: só me digas aquilo que sentes com toda a intensidade e certeza em teu coração. Seria mais fácil jogar palavras ao vento para pescar alguns sorrisos, mas assim fácil como elas vêm, com mais graça ainda elas pegam carona com a primeira tempestade ou qualquer fenômeno da natureza. Porque sim, é natural que a empolgação (o nome mais correto disso) se esvaia em pouco tempo.

Há 325 dias eu me levantei da cama do meu quarto, ainda de solteiro naquela época, e pensei: “Minha vida vai mudar a partir de hoje”. Claro que é algo bem forte pra se falar assim numa manhã de 18 de junho às 10h, mas o sentimento verdadeiramente acometeu. E se eu tanto peço para que não abram a boca à toa, eu mesma não faria isso. E tenho dito.

Para uma vida mudar, que mudasse de fato. Enquanto tirava a maquiagem do rosto, ia revisando mentalmente meus hábitos autodestrutivos, meus gostos, as músicas que ainda tocavam no meu iPod. Então eu mudei.

Se tu me conhecesses em março de 2007 e só encontrasse comigo em meados de setembro daquele mesmo ano, dirias que a única possibilidade palpável de me ver naquele estado – rodeada de amigos numa festa, só tomando água e dizendo que tinha que dormir cedo pra acordar mais cedo ainda – era que eu tivesse sido abduzida num momento anterior.

Sei que tem gente que batalha incansavelmente para mudar as outras pessoas por não considerar aceitável certos atos, hábitos, pensamentos. Um exemplo bem próximo seria tentar exterminar o uso do cigarro ou de substâncias ilícitas por parte de algum afeto teu, coisa que não se faz por pura birra, acredito, uma vez que justamente por envolver o apreço, a gente abomina tudo e quaisquer coisa que possa prejudicar. Porém olhando para trás e avaliando o que me motivaria a deixar uma vida desregrada (mas não menos divertida) de lado, entendo que não são as incansáveis reclamações, cobranças ou chantagens que irão transformar um ser humano (aquele que, egoisticamente pensamos estar agindo errado). Eis o segredo: muitas vezes só a lembrança ou um sorriso podem te motivar a mudar sua vida. Sabe por quê?

Porque te enche de alegria, cada pequena extensão do teu corpo sorri e te impulsiona pra frente de maneira saudável, te faz querer ser alguém melhor por pura e simples quantidade incrível de endorfina. Não falo de finais felizes ao lado do mocinho que veio cavalgando de terras distantes para te salvar no cavalo branco, não. Falo do amigo, do chefe, do namorado que tu tanto reclamas. Qualquer pessoa dessa pode te fazer mudar assim num piscar de olhos, de um dia pro outro. Mas essa pessoa vai ter que despertar o sentimento incrível de felicidade em ti, de forma que, numa simples manhã de 18 de junho, tu acordas para trabalhar querendo ganhar o mundo simplesmente por ter vivido um dia anterior tão incrível quanto fugaz.
Hoje é 18 de junho. Ainda dá tempo de mudar tua vida pra melhor.


Still now, I would do everything again, the same way.

5 comentários:

Chrys disse...

Engraçado, Loyana. Tive esse "insight" ano passado, em agosto.
De repente me vi num trabalho que não me proporcionava o mínimo de satisfação pessoal, estava afundando num poço (aparentemente sem fundo) de ócio, sedentarismo e falta de amor próprio. Fazia tudo pelos outros e nada por mim, talvez porque eu tivesse pouco a oferecer naquele momento.
Conversei com uns amigos e com minha mãe, marquei minha passagem, me inscrevi num curso de organização de eventos e me mandei para SP. Lá fiquei três meses. Fazendo curso. E principalmente, repensando minha vida até aquele momento.
Voltei em novembro, ainda retomei meu antigo emprego por questões financeiras, afinal fiquei três meses só gastando o dinheiro que não tinha, e em agosto fui chamada para meu atual emprego. Fim de janeiro parei de tomar refrigerante, e em fevereiro comecei a malhar. Adicionei um pouco de saúde a minha vida desregrada, mesmo continuando a beber e a fumar.
E eu sei que muitas mudanças ainda estão por vir.

Nossa, seu texto me inspirou e agora percebi que escrevi pra pooorra. uahuahuauauh...

Hoje me toquei do quanto fui mal educada. Estou pra vir te agradecer desde sábado a noite pela matéria que, apesar do "descabelamento", ficou linda. Texto super bem escrito. Muito obrigada mesmo! E precisando, pode contar com a gente! :D

Beijo grande, moça!

Chrys disse...

*em JANEIRO fui chamada para meu atual emprego.

Rebecca Campos disse...

Eu não entendo pq algumas pessoas simplesmente não entendem isso.

Tô na merda.
Uma merda horrível.

Quero sumir do mundo todo.
(cara inchada de chorar)

vou me esconder na minha toca. Só saio de lá quando eu for outra pessoa. E hoje é quase 18 de junho.

;~~

Renata Paula disse...

pff
faz uma carta e manda.
Melhor do que expor isso pra quem ler isso aqui.
Ninguem consegue mudar na marra.. e nem de um dia pro outro.. o maximo que pode acontecer eh a "mudança de habito", o resto soh aos poucos quando se quer e tem força de vontade.
o que precisa ser feito é aceitar as pessoas como elas sao, ou não.
e aceitar tambem que a mudança vai a partir delas.
Nem sei pq eu to falando isso.. tu nao me ouves mais...:s

beijo!

Anônimo disse...

Um sentimento forte muda vidas, isso é verdade, acredito que se for de coração, realmente tem força.
Hoje pouco se vê isso, como você disse caruru, palavras ao vento ganham alguns sorrisos, e na mediocridade, pouco basta...
Infelizmente... Mundinho sem vergonha


beijomeliga

te cuida-te