quarta-feira, junho 18, 2008

Ainda dá tempo de mudar

“Another time brand new for me starts…
A movie in slow motion
Frames loosing colors
Drying the oceans
All there is is a gray dark cloud
Rising the shield facing my sun
But I won’t take cover”


Um dos meus pedidos mais recorrentes, diria da vida inteira, é na verdade bem simples: só me digas aquilo que sentes com toda a intensidade e certeza em teu coração. Seria mais fácil jogar palavras ao vento para pescar alguns sorrisos, mas assim fácil como elas vêm, com mais graça ainda elas pegam carona com a primeira tempestade ou qualquer fenômeno da natureza. Porque sim, é natural que a empolgação (o nome mais correto disso) se esvaia em pouco tempo.

Há 325 dias eu me levantei da cama do meu quarto, ainda de solteiro naquela época, e pensei: “Minha vida vai mudar a partir de hoje”. Claro que é algo bem forte pra se falar assim numa manhã de 18 de junho às 10h, mas o sentimento verdadeiramente acometeu. E se eu tanto peço para que não abram a boca à toa, eu mesma não faria isso. E tenho dito.

Para uma vida mudar, que mudasse de fato. Enquanto tirava a maquiagem do rosto, ia revisando mentalmente meus hábitos autodestrutivos, meus gostos, as músicas que ainda tocavam no meu iPod. Então eu mudei.

Se tu me conhecesses em março de 2007 e só encontrasse comigo em meados de setembro daquele mesmo ano, dirias que a única possibilidade palpável de me ver naquele estado – rodeada de amigos numa festa, só tomando água e dizendo que tinha que dormir cedo pra acordar mais cedo ainda – era que eu tivesse sido abduzida num momento anterior.

Sei que tem gente que batalha incansavelmente para mudar as outras pessoas por não considerar aceitável certos atos, hábitos, pensamentos. Um exemplo bem próximo seria tentar exterminar o uso do cigarro ou de substâncias ilícitas por parte de algum afeto teu, coisa que não se faz por pura birra, acredito, uma vez que justamente por envolver o apreço, a gente abomina tudo e quaisquer coisa que possa prejudicar. Porém olhando para trás e avaliando o que me motivaria a deixar uma vida desregrada (mas não menos divertida) de lado, entendo que não são as incansáveis reclamações, cobranças ou chantagens que irão transformar um ser humano (aquele que, egoisticamente pensamos estar agindo errado). Eis o segredo: muitas vezes só a lembrança ou um sorriso podem te motivar a mudar sua vida. Sabe por quê?

Porque te enche de alegria, cada pequena extensão do teu corpo sorri e te impulsiona pra frente de maneira saudável, te faz querer ser alguém melhor por pura e simples quantidade incrível de endorfina. Não falo de finais felizes ao lado do mocinho que veio cavalgando de terras distantes para te salvar no cavalo branco, não. Falo do amigo, do chefe, do namorado que tu tanto reclamas. Qualquer pessoa dessa pode te fazer mudar assim num piscar de olhos, de um dia pro outro. Mas essa pessoa vai ter que despertar o sentimento incrível de felicidade em ti, de forma que, numa simples manhã de 18 de junho, tu acordas para trabalhar querendo ganhar o mundo simplesmente por ter vivido um dia anterior tão incrível quanto fugaz.
Hoje é 18 de junho. Ainda dá tempo de mudar tua vida pra melhor.


Still now, I would do everything again, the same way.

quinta-feira, junho 05, 2008

She wants revenge

Todo mundo acredita ter bom gosto, claro. Essa é uma das poucas e mais certas demonstrações de amor próprio que uma pessoa pode ter. Quem é que diz "ah, peguei aquele cara tenebroso porque tenho mau gosto..." - Ninguém, não é?
Então, eu sei que tenho bom gosto. Em vários aspectos. Com certeza, meus pretendentes estão incluídos nessa lista. A gente perde o interesse por gente do passado, isso é normal, mas quando as pessoas estão em evidência pra gente, é porque as consideramos interessantes o suficiente pra isso. Ainda bem que o mundo é grande, o ser humano tem gostos diferentes e então há muito para todos.

Será?

Não tenho mais tanta certeza disso. Tá certo que Manaus é uma cidade pequena e as opções são restritíssimas (pelo menos pra mim, que sou exigente), agora ter o meu bom gosto como fator determinante para que compor o SEU repertório... ah, isso aí é chega a ser engraçado. Imagine a situação: dar preferência total e absoluta a pessoas que já tiveram algo comigo. Ou mesmo ir atrás dessas pessoas justamente por causa disso.
Imaginou? Pois é, não se trata só de imaginação. É realidade. E é engraçado, pra não dizer ridículo. De alguma forma deve ser um chamariz, um status ou implicância boba.
Sociedade de empresas velhas, não me importo. Eu sei que eles são fodas (ou pelo menos foram quando estavam comigo), por isso você gostou deles. Só mantenha tanta "paixão" longe de quem está comigo no presente, certo?
Que aí sai do engraçadinho pro revoltante e eu sou meio escandalosa :)

beijonãomeliga.

quarta-feira, junho 04, 2008

Devaneios

Olha só o que o meu horóscopo de amanhã diz:

"ESCORPIÃO: Oportunidades de trabalho sérias e confiáveis, prenunciando um futuro próximo de sucesso. Trabalhe duro e confie neste futuro, mesmo que a sua situação atual não pareça promissora: lembre-se que você é capaz de renascer das próprias cinzas".

Eu tinha certeza!!
Ah sim, eu leio horóscopos adiantados porque é algo que faz parte desse meu trabalho abençoado.

Devaneios...
Quero muito viajar. Assim tipo, amanhã. Eu já tinha repetido mil vezes que não gostaria que meu destino fosse, mais uma vez, a dita terra da garoa. Não porque deixei de gostar de lá, mas em se tratando de passagens gratuitas em troca de alguns dias em que a gente circula 20h e trabalha 2h (o resto a gente finge que dorme), acho válido conhecer outros lugares. E o Brasil é continental...
Mas ó, se me mandarem pra São Paulo mais uma vez, do jeito que eu estou, vou achar ótimo. Afinal como pode ser ruim respirar outros ares de um velho conhecido?

Falta só um mês e mais um pouquinho para terminar a reforma da redação e poderemos sair dessa sala de merda, que mais parece um cu de galinha: quente, apertado e fedido. No meio da tarde dá vontade de tirar a roupa todinha e sair correndo, de tão desesperador que é. Me lembra uma repartição pública: até minha editora, com frescura encrustada até no dedo mindinho da unha do pé, andou comendo na marmita em cima da mesa. Que é isso, minha gente?

Mil idéias passam pela minha cabeça.
One thing I know for sure: love will lead us. So I don't have to worry, you don't have to worry, cuz' things will never slow down as they knock on yours doors. Or should I say hearts?

TÁ BOM, EU QUERO VIAJAR.
>;/