domingo, junho 03, 2007

A Thousand Miles From You

"A thousand miles from you, endless way home
I navigate on seas unknown.
Leave me so I can move on,
Build strength on my own.
Another time brand new for me starts...

A movie in slow motion
Frame loosing colors,
Drying the oceans

All there is... is a gray dark cloud,
Rising a shield facing my sun
But I won't take cover,
I look over my shoulder
Miles from you"

...

Vazio. Tomou o peito e o mundo em que vive; aquele, que parece só existir a milhas de distância, senão, se resume a uma contagem regressiva que não sabe o dia certo de parar. E ao se dar conta disso, chove, de todas as maneiras possíveis. Pressão. Mas de um tipo involuntário. Daquele jeito que dói no músculo, pressiona também a mente, escasseia as palavras e as reduz a uma coleção de termos batidos, rasgados, já antigos. Tão antigos que me fazem questionar porque ainda existem, mas acho que, talvez estejam em busca de se concretizar. Sair do mundo das idéias. Deixar de serem meros termos vazios.
Tardes cinzentas que só vejo pela janela do trabalho. Não é possível contemplá-las, então elas acabam se transformando em noites vazias. Caminhos alternativos para não ter que passar pelos mesmos prédios, mesmas pessoas, mesmas paisagens que só reforçam a necessidade do novo, mas aí vem a contagem regressiva sem prazo de validade, vem as milhas, vem a escassez. O ciclo é vicioso.
Por vezes, há como escapar, diminuir a distância e quebrar o ciclo. Neste instante raro, a escassez, que ainda significa existir alguma coisa, mesmo que pouca, encontra o esquecimento. Este sim, não dá espaço para nenhum termo batido. Emudece. Há tanto para falar, mas falta voz, porque diante de tanta beleza – agora despida da distância – palavras são o que menos vem à mente, pois há tanto ali para se absorver, daqui para a eternidade, a minha eternidade, que não existe maneira de medir palavras. Talvez devesse ter falado algo a mais, porém, acho que disse o bastante. Até porque, as mãos tremiam.
A escassez existia porque queria continuar existindo, mas em um plano concreto. Queria transformar cada pouca palavra que ainda restava no meu vocabulário, em mãos e braços, beijos e abraços. Concretos. Entretanto veio o esquecimento justamente quando as mãos abraçavam, os beijos tocavam e então não pude – não porque não quisesse, mas porque a beleza concreta emudecia – dizer que a contagem regressiva acabaria assim que pudesse levar para onde eu quisesse aquele sorriso, dentro de mim, na mente, no coração. Daí então, a distância passaria a ser um mero detalhe...

Lê com um pouco mais de atenção dessa vez, honey mine? Muitas, muitas, muitas saudades de você. Luv ya.

;********

posted by: Loy*
ouvindo: MindFlow - A Thousand Miles From You

Nenhum comentário: