sábado, maio 19, 2007

Alguma coisa acontece no meu coração

foto: Mercado Municipal de São Paulo

"Alguma coisa acontece no meu coração
que só quando cruzo a Ipiranga e a Avenida São João
é que quando eu cheguei por aqui eu nada entendi
da dura poesia concreta de tuas esquinas
da deselegância discreta de tuas meninas

Ainda não havia para mim Rita Lee, a tua mais completa tradução
Alguma coisa acontece no meu coração
que só quando cruzo a Ipiranga e a Avenida São João

Quando eu te encarei frente a frente não vi o meu rosto
chamei de mau gosto o que vi
de mau gosto, mau gosto
é que Narciso acha feio o que não é espelho
e a mente apavora o que ainda não é mesmo velho
nada do que não era antes quando não somos mutantes

E foste um difícil começo
afasto o que não conheço
e quem vem de outro sonho feliz de cidade
aprende de pressa a chamar-te de realidade
porque és o avesso do avesso do avesso do avesso

Do povo oprimido nas filas, nas vilas, favelas
da força da grana que ergue e destrói coisas belas
da feia fumaça que sobe apagando as estrelas
eu vejo surgir teus poetas de campos e espaços
tuas oficinas de florestas, teus deuses da chuva"

...

Senti frio. Mas frio demaaaais. Pense em muito frio multiplicado por mil. Peraí, ainda não é todo o frio que senti. Minhas mãos tremiam. Mal sentia meus pés e eles já andavam por si só, automáticos, eu nem mandava mais neles.
Estava sozinha e cruzei a Av. São João, a 25 de março, a 24 de maio e todos os outros dias e meses do ano dessa cidade que é um universo inverso, do avesso, do avesso, do avesso de tudo que estou acostumada...
Não me intimidei com a chuva e com as gritarias do pessoal querendo vender de tudo possível. Quem era eu ali? Conhecia a Eduardo Ribeiro, nada demais. Confesso que considerei aquilo que chamam de comércio na 25 de março algo mais parecido com um safari humano, onde as pessoas gritam no teu ouvido, jogam as coisas no teu colo, só faltam arrancar o dinheiro das tuas mãos e quase te empurram pra dentro das lojas. Foi engraçado. As melhores frases que ouvi foram:
"massá, massá, massá... mÁÁÁÁssageador tá barato, compra aí!!"
"capa de chuva é dois real, capa de chuva é dois real, capa de chuva é dois real, capa de chuva é dois real, capa de chuva é dois real, capa de chuva é dois real, capa de chuva é dois real!"
"capa de chuva é 1 e 50!" (olha a promoção!)
"pinto, pinto! olha o pintinho amarelinho..." (lembra daqueles pintinhos a pilha, bem infância anos 80?)
"quem fez chapinha hoje se fodeu!" (delicada referência dos comerciantes à chuva forte que caía)

Em seguida, Galeria do Rock. Clichêzão. Até gosto de lá. Não passo mais de um mês sem conferir as novidades que aquele lugar peculiar apresenta. No entanto, devo admitir que esses tempos as ofertas de lá estão meio escassas. Procurando uma bolsa, só achei infinitos sacos de pano com estampas de zebra e oncinha, ou objetos de plástico, mal feitos, com caveiras de lacinhos e cerejas. Pelamôr.
Querendo ou não, é uma diversão e tanto! Ali o pessoal parece que anda fantasiado. Tinha um rapaz com capa de vampiro, se achando o próprio Lestat, sentado, pensativo, com mais lápis no olho do que o Alice Cooper. Escapou um risinho da minha face e senti que ele ficou meio puto.
Finalmente conheci o Mercado Municipal. Comi um belo pastel de bacalhau pra poder dizer que já provei dessa porra, mas a fila estava tão grande que eu, eu mesma, já estava azeda quando o pastel ficou pronto. É gostoso. Mas tava meio frio já.
Não posso dizer que não parei de pensar em distância, porque a merda da distância já existe em condições normais e então até por aqui ela me perseguiu. Vai embora, sua puta. E ela vai. Mas só vai quando não faz mais diferença. Por que será?
Bom, na falta de poesia, fico aqui, curtindo o frio e esperando o Maroja terminar de fazer nosso jantar. E desejando, a cada minuto que passa, que o pianinho venha logo pra casa.

São Paulo é São Paulo. É frio, mas é paixão que aquece. Enche o peito. Me sinto em casa. Alguma coisa acontece no meu coração...


posted by: Loy*
ouvindo: mtv ligada aqui

Um comentário:

Renata Paula disse...

"Pelamôr" loyana?
q isso?
uma nova giria gay?

tu ta virando viado loyana?

hahaha

vamos pro circo sexta?

beijo..

quero presentes!