terça-feira, março 27, 2007

Just believe

Olha só rapaz, não é que a audiência do meu blog tá alta?! Hahahahaha...
Ah, que isso, um blog tão tímido... ou seriam tímidas as pessoas que o lêem? Gastam um certo tempinho da vida delas se dedicando à leitura do que eu escrevo... ótimo, porque um dia ouvi que quem lê viaja. :D Olha só, VOCÊ (apontando na sua cara), assíduo leitor(a) (como diria minha chefe), não se limite ao meu blog, caro amigo(a). Existe o Jornal A Crítica que você pode comprar só pra ter o prazer de ver meu nominho lá. Assim você aumenta minha audiência, vende mais jornal e a empresa fica mais rica. Legal, né?
Tudo bem. Vai ver que é realmente interessante querer saber da minha vida, apesar d'eu falar dela de forma que só eu e pouca gente entende do que eu tô falando. Ainda assim, a carapuça serve pra quem quiser. Agora só uma coisa: cuidado, preste atenção no que você lê, caso contrário, poderá se sentir glorificado/depreciado com algo que tá tão longe do teu ser... tá?
Mas vamos lá. Vamos ao texto em si, que é o que interessa a VOCÊ, meu leitor!! (Agora tem audiência! Falando sério, sempre soube que meu texto era envolventeee... ui)
Vamos falar hoje de capacitação, de coragem, de determinação. Você quer algo? Vamos lá. Corra, desenhe, pinte, gaste seu dinheiro, faça contatos. Uma hora, pode ser depois de um tempo ou não, você consegue. Esse tipo de poder é foda.
E o poder não é à toa. Tem nome. Chama-se "lei da atração". E só acomete quem pensa grande. De vidinha medíocre, não dá, né? Tem que sonhar grande, tem que querer mais da vida. Você tem que procurar novos horizontes, porque o que nos define hoje é como fomos no passado. Quem quer viver de museu? Só quem é limitado. Olhando pra frente é que se vai... vai... cresce.
Aplico muito essa filosofia à minha vida, logicamente. Mas fiquei deveras interessada no assunto quando recebi minha pauta de ontem. Tem gente que subestima essa história do pensamento positivo, do empenho, da força de vontade e da coragem. Não, meu amigo, não faça isso. Siga o exemplo da minha mãe, nem que pareça exagerado: cole pela casa inteira várias frases de motivação (like miracles happen everyday, honeys). Daí você precisa escrever o que você quer, pensar nisso, pensar como seria ter aquilo que você tanto deseja. Daí verificar o sentimento que te dá ao pensar nisso. Prenda-se nesse sentimento. Ele é a montanha russa que irá te levar aos teus wildest dreams...
Não importa o quanto impossível ele possa parecer. Para o Universo, nada é difícil. Faça a sua parte, mova estas rodas! E para acompanhar o resto desse pensamento, só mesmo comprando o Jornal A Crítica de domingo hahaha...
Finalizando, algo escrito por alguém que instiga meus mais fortes sonhos. Ainda bem que, pelo menos no meu caso, certos sonhos se tornam realidade ;D

“Tem que acreditar... É só fazer com vontade, trabalhando mais do que todos que estão ao seu lado, mas não por competição, e sim porque não haverá ninguém que goste mais do que está fazendo do que vc. Fazendo com dedicação e seriedade, superamos qualquer adversidade de mercado, afinal qualquer empresa procura pessoas dedicadas e que amam o que fazem. Vc acredita que para quem eu falava que iria gravar um cd solo da forma que gravei, eu recebia a resposta de que eu devia estar louco? Só uma pessoa me falou para não ouvir os outros e acreditar em mim (não preciso falar que essa pessoa é dona de uma das maiores empresas de instrumentos do Brasil, e lutou muito para ter o posto que tem hoje). Quantas vezes ouvi que o Angra não iria para frente sem o André, e o Ronaldinho que falaram que nunca iria jogar mais...Que profissão é fácil de se destacar? Só aquela que amamos fazer. As pessoas que reclamam que o mercado esta difícil e estão desempregadas, estão porque elas são boas no que fazem e se satisfazem com isso. Quem é bom está fora do mercado mesmo, e quem é ótimo tem um emprego razoável. A busca está em ser excelente, o melhor! Será só uma busca, porque ninguém é "o melhor". Mas a graça está na "busca" e não no "encontro" para aqueles que amam o que fazem”.

Time to believe.

Posted by: Loy*
Ouvindo: minha subeditora passando meus encargos da semana

P.S: GLORY OPERA DIA 31/01 no TROPICAL HOTEL! Liga pra mim pra saber.

domingo, março 25, 2007

Vem aqui dar uma espiada!

Vou dedicar essa música pra você, só pra você, pq você merece. Você merece porque simplesmente deveria ganhar o prêmio de idiota do século.
Porque é fraco, loser, limitado. Tanto, que não aguenta uma pressãozinha, uma briga, um conselho. Você quer a merda da coisa sem graça. Mesmo que tenha dito que a estabilidade era um saco, que não te empolgava, que era feia gorda e sem graça. Que não fodia bem. Que pensava em outras (outras A.K.A eu) enquanto estava com ela. Ótimo, acredito que se ninguém te abduziu pelos últimos tempos, você deve continuar pensando assim, só que pela falta de opção, vai atrás de comer aquela merda.
Essa foi a melhor demonstração de o quão PERDEDOR você é. Me economiza, vai... eu sou um turbilhão e turbilhões não combinam com pessoas sem graça.
Mulheres são como maçãs em árvores. As melhores estão no topo. Os homens não querem alcançar essas boas, porque eles têm medo de cair e se machucar. Preferem pegar as maçãs podres que ficam no chão, que não são boas como as do topo, mas são fáceis de se conseguir.
Assim as maçãs no topo pensam que algo está errado com elas, quando na verdade, ELES estão errados... Elas têm que esperar um pouco para o homem certo chegar, aquele que é valente o
bastante para escalar até o topo da árvore.
Ah, e for the record, guitarristas fodem melhor. Inclusive o melhor do mundo também é melhor do mundo em vários outros departamentos.
Loser.


I want you to know, that I'm happy for you
I wish nothing but the best for you both
An older version of me
Is she perverted like me?
Would she go down on you in a theatre
Does she speak eloquently
And would she have your baby
I'm sure she'd make a really excellent mother...

Cause the love that you gave that we made wasn't able
To make it enough for you to be open wide, no
And every time you speak her name
Does she know how you told me you'd hold me
Until you died, till you died
But you're still alive

And I'm here to remind you
Of the mess you left when you went away
It's not fair to deny me
Of the cross I bear that you gave to me
You, you, you oughta know

You seem very well, things look peaceful
I'm not quite as well, I thought you should know
Did you forget about me Mr. Duplicity
I hate to bug you in the middle of dinner
It was a slap in the face how quickly I was replaced
Are you thinking of me when you FUCK her?

Cause the love that you gave that we made wasn't able
To make it enough for you to be open wide, no
And every time you speak her name
Does she know how you told me you'd hold me
Until you died, til you died
But you're still alive

And I'm here to remind you
Of the mess you left when you went away
It's not fair to deny me
Of the cross I bear that you gave to me
You, you, you oughta know

Cause the joke that you laid on the bed that was me
And I'm not gonna fade
As soon as you close your eyes and you know it
And every time I scratch my nails down someone else's back
I hope you feel it...well can you feel it

And I'm here to remind you
Of the mess you left when you went away
It's not fair to deny me
Of the cross I bear that you gave to me
You, you, you oughta know


posted by: Loy*

terça-feira, março 13, 2007

I love Sampa!

Ninguém me ensinou a amar São Paulo. Eu aprendi sozinha a gostar de cada pedaço caótico dessa cidade, cada pedra que eu tropeço no meio de suas ruas, cada esquina, toda a correria que a envolve, todo esse mundo que cabe aqui. Claro que eu não a conheco por inteira; esse pedaço de terra é grande demais, e eu sei que tem gente que mora aqui a vida inteira e ainda anda com um mapa dentro da bolsa (como eu tô agora).
Ainda assim, sinto que conheco seus traços. Não sei se é porque as ruas são meio iguais pra mim (já penso que estive em todos os lugares), não sei se as pessoas parecem familiares. Os 4000km que me separam da cidade em que eu nasci, parecem distantes o suficiente, não é redundância, é que não me interessa saber o que se passa por lá.
A liberdade daqui é enorme. Depois de encher minha bolsa com três CD's maravilhosos que não existem pra vender aí no gates of hell (mas aqui são baratos e tem de monte!), virei a esquina, comi um blackdog... me deu vontade de escrever.
Virei outra esquina, comprei um chocolate quente e aqui estou na FNAC.
Como diria o Supla, eu amo São PaulO!!