quinta-feira, maio 18, 2006

Silly love songs

Se eu tivesse que falar de ti, começaria por aquele momento ordinário de chegar na faculdade, de abrir a porta da sala de aula para jogar o material em qualquer cadeira, depois sair da sala e ir beber água no bebedouro que fica no corredor.
Um gesto comum e mecânico, que fazia todos os dias. Até o momento em que te vi saindo da tua sala, indo falar no celular...
Vi os teus cachos negros e os teus óculos emoldurando o rosto. E o teu sorriso, a coisa mais linda que eu já tinha visto até aquele dia.
Lá estava você. Quantos anos tinhas? Foi há quanto tempo? Quase um ano? Parece que foi há tanto tempo...
Um começo um tanto peculiar aquele, não foi? E também um começo para as minhas segundas intenções de tomar-te emprestado como parceiro sentimental.
Depois é que a coisa começou a ganhar importância. Várias situações se passaram e
nossa “relação” enfrentou crises. Mas sempre me fazias rir, como fazes até hoje. Se eu não fosse tão idiota, teria aproveitado melhor o que me falas, teria rido mais ou evitado muitas situações chatas e desnecessárias.
Não era ainda a última vez naquele final de noite de dezembro. Estressante e confuso, a princípio, eu lembro, embora eu quisesse ficar contigo, quase te deixei ir naquele momento. Eu tinha ficado triste. De uma dor que eu não preferia que fosse vista nem sentida por ninguém. Eu, tentando te convencer de minha despreocupação, acabei me entregando. E depois chorei muito...E realmente não foi a última vez, talvez só um ensaio de despedida, que irá acontecer, eventualmente, algum dia (desapego, não é esse o nome?).
Desde que isto não aconteceu, não consigo imaginar como teria sido ficar sem ti. Se eu fosse falar sobre meu último olhar sobre ti, talvez fosse assim como o olhar de uma mulher míope sentada à sombra, observando o ir-se lento de um rapaz de cabelos negros ao sol, atravessando a avenida, com perguntas, com sorrisos, com agilidade que só você tem.
Mas prefiro não enxergar desta forma. Acontece que eu não sei mais falar de ti sem pensar em teus cachos negros, no brilho do teu sorriso. Tua imagem me convida sempre a pensar em chegadas, mesmo ensaiando as partidas...

posted by: Loy*

2 comentários:

Moysés disse...

Meu (L), vc se tornou a peça mais importante do mundo caótico que me cerca. Ganhou meu coração, minha admiração, meu carinho, meu respeito, meu amor e mais que tudo a vontade de estar sempre com vc e de fazer tudo a meu alcance pra tornar sua vida um pouco mais iluminada, assim como vc faz com a minha.

Acredito ter encontrado em vc a companheira que sempre sonhei e espero poder estender meus braços incontáveis vezes pra te ajudar, abraças, acariciar, amar e acalentar na hora do sono.

Origado por me deixar compartilhar do teu sorriso lindo e da tua gargalhada marota!!

Te amo muito mesmo!!

Renata Paula disse...

e tu ainda pensas em cortar esse cabelo Mr. Moses?
ahhahaa
ei loyana..
nunca te vi escrevendo desse jeito..
teus teuxtos sempre tem uma ponta de ironia. e esse.. foi tao de dentro..
poxa amiga.. que bom te ver apaixonada!
só peço-te para nao ficar cega.. e passar pro cima de vc!
e claro.. acho que eu nem preciso falar mas eh sempre bom 'reforçar' que eu sempre always estarei contigo.. do se ladinho! ok?

beijo! te amo!

ps- sonhei com o flok.. stranho neh?